Filipe Bacelo apresenta versão 2 do “Comboio das Nove”

É já no próximo sábado dia 18 de Junho, a partir das 16 horas que a segunda parte do Comboio das Nove será apresentado.

Trata-se de um livro do escritor de Ermesinde, Filipe Bacelo e a apresentação ocorre na sede de Junta de freguesia de Ermesinde, sendo de acesso livre.

“O comboio das nove voltou! Nela vem a Raquel, uma mulher especial com trinta e dois anos que traz apenas uma bagagem de mão. Mas lá dentro tem emoções, memórias e um lado obscuro suficiente para ocupar várias carruagens.
Ela vive uma luta desde que nasceu e agora procura um caminho que a leve à felicidade.
A vida pode trocar-lhe as voltas e ela necessita de um amor forte, para suportar cada uma das suas dores, do seu passado, do presente e até do que o futuro pode trazer.
Este livro mostra emoção em cada estação, em cada respirar de uma nova página. Toca o coração e apela à importância que o amor tem na hora de tomar decisões. Este livro é a prova que o amor salva.

Filipe Bacelo, natural de Ermesinde, nascido a 10 de junho de 1979. Pai de quatro filhos e enamorado pela sua alma gémea. Espírito sonhador e com uma alma de miúdo. Espalha a partilha e a ajuda ao próximo. Não desiste dos sonhos e de ser feliz todos os dias. O seu lema é a entrega, a humildade e a gratidão.

Filipe tem já quatro obras publicadas. E foi na escrita que se amparou para superar o vício do álcool. Foram 13 anos de autodestruição e de destruição de tudo e todos ao seu redor.

O seu primeiro livro O amor vence sempre, é composto por pensamentos que escreveu para se lembrar do caminho que queria seguir. A obra Pensamentos de um Lobo é um retrato de como o autor vê a vida. Ambos os livros ajudam quem atravessa momentos mais desafiadores.

O livro O comboio das nove é o seu primeiro romance. Um romance inspirado em si mesmo. Uma busca pelo perdão a si próprio, e o perdão da sua família. É um romance onde assume as fragilidades masculinas. É sem dúvida um livro onde sentimentos, como o amor, o perdão e a superação são protagonistas”.