Pingo Doce oferece bens para 1500 refeições destinadas a refugiados ucranianos em Valongo

Duas insígnias do grupo Jerónimo Martins, Pingo Doce e Recheio, ofereceram bens alimentares para 1500 refeições destinadas a refugiados ucranianos que foram ou serão acolhidos em Valongo.

A distribuição será efetuada pela Plataforma Solidária de Valongo, coordenada pelo município. Para além dos bens alimentares, a oferta contempla ainda produtos de higiene e para bebé.

De referir que, para além dos bens doados foi disponibilizado um cartão para aquisição de produtos frescos nas lojas Pingo Doce.

Na receção, que decorreu nas instalações da Plataforma Solidária de Valongo, estiverem presentes técnicos da Câmara de Valongo. Na oportunidade Torcato Ferreira, (na foto à esquerda) diretor de departamento da Ação Social da Câmara de Valongo, disse ao Jornal Novo Regional que “no âmbito da Rede Social de Valongo, que engloba vários parceiros, foi criada uma rede de apoio aos refugiados. Esta rede inclui todas as instituições que, de uma forma ou de outra, podem intervir neste apoio. Está incluído neste trabalho a agilização de acesso ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. A Câmara Municipal já disponibilizou duas habitações para refugiados, estando uma já ocupada. Por outro lado, colaboramos com o Seminário Bom Pastor em Ermesinde, onde estão cerca de 70 refugiados. Sabemos que há refugiados em casa de familiares e se for necessário também apoiamos em termos de saúde e outras necessidades”.

Segundo Torcato Ferreira, “pelos dados que temos, deverão estar em Valongo cerca de 100 refugiados”.

Para Hugo Silva, (na foto à direita) diretor-adjunto de operações do Pingo Doce, “esta oferta do Pingo Doce e Recheio consiste em bens essenciais com validade alargada. Estamos a fazer parcerias com várias câmaras municipais. Neste caso, em Valongo, a Câmara tem uma despensa social e vai fazer chegar estes bens a quem mais precisa, porque conhece bem o terreno e as necessidades. O Pingo Doce tem levado a cabo várias ações solidárias e está envolvido em vários projetos sociais de norte a sul do país.

No caso do apoio aos refugiados ucranianos já fizemos chegar à fronteira da Ucrânia 10 camiões de bens, não só com bens oferecidos por nós, mas também por outras empresas e instituições”