Vitor Parati: “Pelas causas de Valongo”

Esta é a primeira candidatura do PAN nas eleições autárquicas no concelho de Valongo, mas as suas ideologias já têm vindo sido demonstradas de forma assente pela população de Valongo. Cada vez mais é urgente sermos ecocêntricos, pelo que as questões ambientais têm ganho destaque mesmo nos movimentos mais conservadores e capitalistas, que sempre ignoraram estas ideologias. O PAN também é sociedade civil, pelo que o nosso papel é estar ao lado das associações que lutam pelas causas de todos e todas nós. É com o espírito de dar relevância às causas sociais, animais e ambientais defendidas pelas diversas associações e movimentos do concelho de Valongo que o PAN se candidata a estas eleições autárquicas.

As nossas causas já são bem conhecidas pela população em geral. Para Valongo temos como prioridades para além do encerramento responsável do aterro de Sobrado, a melhoria das condições e serviços municipais para uma maior defesa e bem-estar animal, quer seja através da requalificação do centro de recolha oficial de animais, serviço veterinário melhorado e apoio ao trabalho voluntário que tem sido efetuado. Pretendemos um território mais arborizado e permeável, adaptando os espaços públicos também aos nossos seniores que tão importantes são para o nosso concelho. O serviço municipalizado de recolha de resíduos tem de ser modernizado e os nossos rios têm de ser completamente despoluídos. Também consideramos prioritário garantir uma habitação digna para todas e todos, aproveitando todos os recursos municipais e criar hortas comunitárias gratuitas que façam a diferença na saúde dos e das valonguenses e tenham impacto na sua gestão financeira familiar.
O concelho de Valongo apresenta-se como um território dormitório que tem merecido a preferência de quem foge de grandes cidades e que quer viver, ao contrário de sobreviver. Para que isto seja possível, tem de existir no nosso concelho um equilíbrio entre os pilares sociais, ambientais e animais. A Câmara Municipal tem de trabalhar no sentido de tornar as nossas cidades e vilas mais equilibradas, proporcionando condições para que os/as nossos/nossas habitantes possam ter melhor qualidade de vida.
O equilíbrio desejado passa por não aceitar no território atividades económicas que revelam grandes impactes ambientais, tais como os aterros. Em Sobrado vamos ter um problema ambiental para várias décadas. Isto só demonstra que os decisores políticos não colocaram a população em primeiro lugar, preferindo interesses económicos que nem para a Câmara Municipal se revelam relevantes. O aterro de Sobrado tem de ser encerrado de forma responsável com diálogo com a entidade gestora do aterro, para que se garanta a mitigação dos impactes ambientais já existentes e que não existam mais consequências nefastas para o território de Valongo. Temos de colocar os interesses dos e das sobradenses em primeiro lugar e garantir que possam viver sem serem prejudicados pela atividade do aterro.
As decisões políticas têm desprezado e prejudicado constantemente quem vive pacificamente nas nossas vilas. É nas vilas que se consegue uma melhor interação entre pessoas, animais e natureza, existindo boas condições para quem quer fugir do stress citadino. Campo e Sobrado foram e continuam a ser desprezados pelo facto de se terem extinguido as suas Juntas de Freguesia, criando uma União que não faz qualquer sentido para quem vive nestas terras. O endividamento do Estado levou a que se improvisassem reformas da estrutura autárquica, olhando-se apenas para números, sem sequer consultar a população. Mais uma vez a população é deixada de lado para que o Estado poupe mais uns trocos. Em Valongo o PAN tem como convicção lutar ao lado da população pela desagregação das nossas vilas de Campo e Sobrado.
Temos verificado ao longo dos últimos anos uma grande luta da população pela melhoria das suas condições de vida. A luta voluntária também se estende à proteção da saúde e bem-estar animal. Valongo deve muito ao voluntariado que tem feito um papel que deveria de ser assegurado pelos serviços veterinários municipais. O serviço veterinário tem de possuir mais recursos financeiros e recursos humanos para dar resposta à emergência que existe no controlo das matilhas de cães e colónias de gatos. Temos de dar condições para que a esterilização seja ampliada e seja uma ferramenta eficiente no controlo das matilhas e colónias. As matilhas e colónias são responsabilidade de todos os munícipes, por isso a Câmara Municipal tem de assumir o registo destes animais em seu nome.

As questões ambientais em Valongo não se depreendem apenas com o aterro de Sobrado, existindo muitas outras questões que têm escapado ao mediatismo. Vimos ultimamente a inauguração de parques de lazer um pouco por todas as freguesias, mas a sua manutenção não está garantida, sendo deixados ao abandono após serem inaugurados. Os nossos rios e seus afluentes não têm tido uma intervenção consistente de limpeza e despoluição, continuando-se a verificar locais onde há descargas de esgotos para os nossos rios Leça e Ferreira. Estas descargas têm de ser evitadas e o sistema de saneamento tem de cobrir a 100% o território valonguense para que os nossos rios possam recuperar a sua biodiversidade.
É no seguimento de uma lógica da melhoria do serviço municipalizado da gestão das águas que nos devemos guiar. Muito falam nesta campanha no preço da água, mas ninguém fala no serviço de fraca qualidade que é garantido pela concessionária. Para além de pagarem uma fatura de um serviço que permite esgotos a céu aberto, todos e todas as valonguenses pagam também um serviço de recolha de resíduos que não garante uma correta separação dos vários tipos de resíduos. Os e as valonguenses que fazem uma separação correta dos resíduos têm de ser beneficiados e beneficiadas, não podendo pagar o mesmo que as pessoas que não têm preocupação com a separação dos resíduos. A fórmula de cálculo tem de ser ajustada para que cada valonguense pague apenas o que consome de água ou encaminha de resíduos, sendo assim uma fórmula mais justa. A empresa concessionária das águas municipais tem de possuir um maior sentido de responsabilidade social e colocar em primeiro lugar as pessoas de Valongo. Cabe ao executivo municipal fazer com que isso aconteça.
O PAN pretende chegar aos órgãos autárquicos de Valongo para mudar as prioridades políticas do concelho. Há que tomar mais atenção ao que pode providenciar melhor qualidade de vida aos nossos e nossas munícipes. O atual executivo continua a ter como prioridades a sua própria imagem pública, focando muitos investimentos em renovação de praças, com a eliminação dos poucos espaços verdes que ainda restavam nos centros habitacionais, e na construção de edifícios desproporcionados para a realidade económica de todos e todas as munícipes. A construção de um novo edifício dos Paços do Concelho é uma obra necessária, mas não na magnitude do projeto que foi aprovado e já iniciou construção. Há pessoas em Valongo que não têm condições mínimas de habitação e nas quais o município deve investir para que lhes garanta melhores condições de vida. Neste sentido, a Casa da Democracia Local podia vem esperar, fazendo-se digitalizar os serviços da Câmara Municipal e descentralizando-se para as várias freguesias.
A preocupação com a utilização eficaz dos serviços e meios da Câmara Municipal é para nós fulcral para que consigamos combater um período de maior instabilidade financeira que o mundo enfrentará no pós-pandemia. Se a Câmara Municipal possui imóveis, estes têm de estar a ser utilizados em benefício da população. Se há infraestruturas já construídas, estas têm de ser aproveitadas praticamente na sua totalidade, para que não se desperdicem recursos. No campo das infraestruturas o PAN pretende aumentar as opções de infraestruturas para a prática de exercício físico que vise melhorar a saúde da população valonguense. Os cuidados de saúde têm de ter mais opções para reencaminharem os doentes, evitando-se muitas vezes a utilização de medicação. Isto passa por aumentar a oferta de piscinas municipais, ginásios, entre outros espaços e estúdios de atividades físicas, trabalhando em conjunto com as associações já existentes no concelho.
Com o seu voto, o PAN poderá ter condições para trabalhar na melhoria da sua qualidade de vida neste concelho. Fazemos política pela positiva, tendo intenções de apresentar soluções para os problemas existentes na nossa terra. Dia 26 de setembro é urgente votar PAN, pelas causas de Valongo!

Acompanhe a nossa campanha em https://www.facebook.com/panvalongo/

Vitor Parati