Câmara de Valongo vai emprestar tablets, portáteis e hotspots a alunos necessitados

Em nota divulgada esta manhã, a Câmara Municipal de Valongo afirmou que vai criar um Banco Municipal de Combate à Desigualdade Digital constituído por 1140 equipamentos (portáteis e tablets) e cerca de 500 hotspots (Banda Larga Móvel) para emprestar, temporariamente, a alunos carenciados da rede pública de ensino do concelho.

Esta medida tem por objetivo garantir que todos os alunos da rede pública do concelho participam no processo de aprendizagens em regime não presencial, até ao final do ano letivo 2019/2020.

Diz José Manuel Ribeiro, presidente da autarquia, que “Não podemos permitir que as atuais circunstâncias impostas pelo combate à pandemia Covid-19 impeçam o acesso ao ensino dos nossos alunos e alunas, sobretudo dos mais carenciados. Ninguém pode ficar para trás! Somos e vamos continuar a ser um concelho verdadeiramente inclusivo e educador”.

A criação deste Banco Municipal de Combate à Desigualdade Digital implica um avultado investimento adicional de cerca de 250 000 Euros.

A operacionalização desta medida passará pelos agrupamentos de escolas do concelho, que já fizeram o levantamento das necessidades. Os pais e encarregados de educação dos alunos referenciados entretanto vão ser contactados para se deslocarem à escola e receberem os referidos equipamentos, mediante a assinatura  de termo de responsabilidade e declaração de compromisso.

Esta iniciativa faz parte de um conjunto de novas medidas da Câmara Municipal de Valongo, de resposta aos desafios da pandemia Covid-19, depois de ter reforçado financeiramente vários programas de resposta social já existentes, como o Fundo de Emergência Social, o Programa de Emergência Alimentar e o fornecimento gratuito de refeições escolares aos alunos mais carenciados, que passou a ser prestado também aos alunos do escalão B e alargado aos fins de semana e feriados, entre várias outras iniciativas.

“O conjunto das medidas municipais de resposta à COVID-19, já implementadas e a implementar, terá um forte impacto financeiro na Câmara Municipal, e está estimado em cerca de 1 milhão de Euros. Estamos em sintonia com a estratégia assumida pela Área Metropolitana do Porto, adotando medidas complementares às poderosas medidas do Governo central, salvaguardando sempre a capacidade futura da Câmara Municipal poder continuar a ajudar toda a comunidade, designadamente os mais vulneráveis, pois este é o tempo dos mais fortes ajudarem os mais frágeis, o que obriga a uma gestão muito criteriosa dos escassos recursos públicos ”, salienta José Manuel Ribeiro.

“Em Valongo estivemos, estamos e estaremos sempre ao lado de toda a comunidade. A Câmara Municipal, as juntas de freguesia, as IPSS, os bombeiros, as autoridades de Saúde Pública, as autoridades policiais, as associações, as empresas, estamos todos juntos numa rede social de ajuda aos mais frágeis. Estamos desde o início desta crise sanitária em contacto com as autoridades e a sociedade civil para auscultar necessidades, disponibilizar meios, antecipar problemas, projetar e implementar respostas que têm como único objetivo combater esta pandemia minimizando ao máximo os danos que nos pode provocar enquanto sociedade. Mas sempre com serenidade e muito sangue frio “, conclui o autarca.