Chave de afetos para 100 seniores de Valongo

O Município de Valongo aderiu ao projeto «Chave de Afetos» da Santa Casa da Misericórdia do Porto, que tem como principal objetivo minimizar e prevenir os riscos do isolamento da população sénior residente em Valongo, promovendo o seu bem-estar e permanência no domicílio.

O projeto foi apresentado publicamente no dia 26 de junho, na presença do Presidente da Câmara Municipal de Valongo, José Manuel Ribeiro, e do Provedor da Santa Casa da Misericórdia do Porto, António Manuel Lopes Tavares, que homologaram também o Acordo de Parceria com três entidades locais: Junta de Freguesia de Alfena; Junta de freguesia de Ermesinde e Centro Social e Paroquial de Santo André de Sobrado.

Estima-se que programa «Chave de Afetos» promova a inclusão social e as relações afetivas online e offline aos 100 seniores envolvidos a quem se quer passar uma sensação de segurança subjetiva essencial para que permaneça no seu domicílio, evitando os riscos de isolamento, institucionalização involuntária e custos associados.

Destinado a maiores de 65 anos sem retaguarda familiar com um rendimento per capita inferior ao salário mínimo nacional, o programa pretende criar uma rede integrada de entidades locais, através do serviço de teleassistência e recurso ao voluntariado, que sob a responsabilidade do técnico gestor de caso, monitoriza os idosos de forma continua.

Aprovado na reunião do executivo de 14 de fevereiro de 2019, o programa tem seis áreas de intervenção: capacitação de técnicos de gestão de voluntariado, monitorização do problema e avaliação do impacto social, gestão integrada e partilhada da informação, angariação e formação de voluntários, acreditação da rede Chave de afetos e integração de boas práticas e divulgação periódica dos resultados do programa.

O projeto enquadra-se no Plano e Desenvolvimento Social 2016/2020 e pretende criar mecanismos de proteção e acompanhamento à população sénior e implementar uma rede de apoio a seniores em perigo (pessoas isoladas, em solidão, vítimas de maus tratos e de negligência).

• Plano de ação:

– Identificar Potenciais Sinalizadores: PSP/GNR/Hospitais/Centros de Saúde/Farmácias/ Bombeiros/Rede de Vizinhança/IPSS/Igrejas/População em geral

– Criar a figura de gestor de caso: Figura central que une as partes envolvidas nos vários processos do Programa (técnicos de intervenção social da CMV, das Juntas de freguesia de Alfena e Ermesinde e Centro Social de Sobrado);

– Voluntariado Chave de Afetos: Angariação e formação de Voluntariado através do Banco Local de voluntariado da CMV;

– Upgrade Tecnológico: Teleassistência com dispositivo sensor de queda;

– Plataforma gestão integrada: Base de Dados/Registo de incidências/Monitorização/ Comunicação entre Parceiros/Proteção de Dados Pessoais/Resultados e impacto social