Carla Sousa – Bloco Esquerda – Candidata à Junta de Ermesinde

EM BLOCO FAZEMOS MELHOR! – Ermesinde
Nestes últimos 4 anos, estivemos representados no Executivo e na Assembleia da Freguesia. Aprendemos muito. Lutamos ainda mais. Apesar da nossa força não ser ainda suficiente para determinar a qualidade de vida dos ermesindenses, conseguimos fazer a diferença.
Não nos resignamos a cumprir a presença nas reuniões. Contestamos, propusemos, demos contributos e sugestões. Dissemos não à subserviência. Acreditamos na nossa capacidade de trabalho. Não fomos eleitos para nos sentarmos e acenarmos com um sim, ou simplesmente abstermo-nos.
Estivemos ao lado da população na reivindicação de algumas temáticas. Continuamos a lutar por aquilo em que acreditamos, e acreditamos que podemos fazer mais e melhor.
Só os valores, os princípios, as pessoas e a sua qualidade de vida nos interessam!
Por não sermos eleitoralistas ou populistas, dizemos Não, quando as temáticas são pouco transparentes ou contrariam os nossos princípios. Fazemos eco das reivindicações, que nos vão chegando em temas como a limpeza e higiene urbana, a degradação de equipamentos desportivos e de lazer, os apoios subsidiários, a qualidade das vias e passeios, o estado da arborização, a ausência de mobiliário urbano, etc.
Apesar das festas e festinhas, continua a haver muito pouco investimento nas pessoas e na sua qualidade de vida. Queremos mais. Queremos respeito. Queremos Transparência. Queremos uma mudança efetiva de políticas.
Enquanto não houver políticas de desenvolvimento e crescimento consistentes, Ermesinde continuará a ser um dormitório. Esta situação é reversível e estamos dispostos a demonstrar que somos capazes! Queremos contribuir para um futuro de qualidade!
A Junta de Freguesia tem um património avaliado em mais de 3 milhões de euros! Está na hora de os investir. É obrigatório e urgente o investimento na e para a população!

Prioridades para Ermesinde:
População Sénior – Proporcionar apoio e acompanhamento sistemático à população idosa em situação de carência, isolamento e solidão. Fomentar o desenvolvimento do envelhecimento ativo;
Melhoria nas acessibilidades – Reivindicar a criação e requalificação dos passeios; atender às acessibilidades para os cidadãos portadores de deficiência e mobilidade reduzida;
Limpeza urbana – Garantir uma limpeza eficaz das ruas e passeios; equipar a cidade com mobiliário urbano, designadamente bancos, e papeleiras/ caixotes de lixo;
Plataforma das Artes – Implementar um espaço onde os artistas e criativos da cidade possam desenvolver projetos de artes plásticas, artes performativas e do espetáculo e artes e ofícios tradicionais e contemporâneos;
Casa das Novas Gerações/Centro Lúdico infanto-juvenil – Criação de um espaço para a infância e juventude, com equipamentos e atividades desportivas, lúdicas e recreativas;
Clubes Desportivos – Aquisição de viaturas para o transporte de atletas; Apoio subsidiário condicente com as reais necessidades;
Associações e Coletividades Culturais e Recreativas– Apoio subsidiário e criação de um gabinete de acompanhamento e apoio jurídico;
Proteção e defesa animal – Defendemos uma política ativa de acolhimento e adoção animal; controlo e rastreio de matilhas, e um equipamento móvel para auxílio veterinário;
Criação de uma quinta pedagógica – Fomentar o respeito pela espécie animal, e contacto direto com algumas espécies animais;
Energia sustentável – Instalação de painéis fotovoltaicos e placas térmicas nos edifícios públicos para uma eficiência e um consumo energético mais económico e amigo do ambiente;
Recuperação do Rio Leça/ Criação de Corredor Ecológico – Reivindicar uma solução articulada entre os municípios, pela limpeza e preservação das margens e caudal do rio, criando e ampliando uma área com equipamentos de lazer e de recreação;
Preservação e recuperação do património natural e edificado – Reivindicar a proteção e preservação do património geológico. Recuperação dos Fontanários e Lavadouros. Requalificação e Dinamização do atual Mercado;
Programação cultural de excelência – Forma de fixar a população, atrair forasteiros e dinamizar economia local.
Orçamento Participativo – Dar aos cidadãos o poder de decisão e definição dos investimentos a fazer pelas autarquias locais.