Mulher de 60 anos constituída arguida por ter máquina de jogo ilegal na Maia

De uma ação de fiscalização da Guarda Nacional Republicana (GNR), esta segunda-feira, na Maia, resultou a apreensão de uma máquina de jogo ilegal, bem como a constituição da proprietária do equipamento como arguida. Em causa está o crime de exploração ilegal de jogos de fortuna ou azar.

A arguida é uma mulher de 60 anos, proprietária de um estabelecimento de restauração e bebidas no concelho da Maia. A investigação segue agora com o Tribunal Judicial da Maia.

A GNR explica a importância deste género de apreensões com a problemática da dependência do jogo, “reconhecida como uma patologia”. Assim, considera “fundamental” haver “fiscalização contínua” para “sinalizar as pessoas com esta dependência” e, ao mesmo tempo, “punir quem utiliza e explora, de forma descontrolada e dissimulada, este tipo de equipamentos ou promove jogos de fortuna ou azar”, lê-se em comunicado enviado à imprensa.