“Maior exposição” do artista Agostinho Santos, com curadoria de Valter Hugo Mãe, chega à Casa da Cultura de Paredes

DR@CMParedesDR@CMParedes

A inauguração é já este sábado 21 às 17.00 e trata-se da “maior exposição” do artista Agostinho Santos, com curadoria de Valter Hugo Mãe. A Casa da Cultura de Paredes vai receber “Ao contrário do Inferno”, uma mostra composta por trabalhos de desenho, pintura, escultura e livros de artista (ou livros-objeto).

“Esta é a maior exposição que eu fiz, em termos de obras, porque é a que tem mais desenhos, devido aos Livros de Artista. É também importante assinalar que é a primeira vez que eu exponho uma quantidade significativa de Livros de Artista”, destaca Agostinho Santos.

Para ver há 128 Livros de Artista com assinatura de Agostinho Santos, mas também 27 de outros artistas, com milhares de desenhos. Uma vez que esta exposição junta ainda escultura e pintura, o número total de obras expostas supera as 200.

A visão de Agostinho Santos e Valter Hugo Mãe de “Ao contrário do Inferno”

Para Valter Hugo Mãe, responsável pela curadoria desta mostra, “Ao contrário do Inferno” surge como uma forma de “meditar sobre a questão do paraíso, uma vez que as obras de Agostinho Santos surgem a partir de um ponto de vista do acidente, do defeito, do erro, a partir da nossa incapacidade, da nossa incompletude e, por isso, é como se estivesse a discursar sobre o paraíso, mas inevitavelmente, tem um pouco a sensação de que nós estamos com um pé no inferno”.

O curador fala ainda sobre o caráter intimista desta exposição, considerando a presença de tantos Livros de Artista que estão “muito próximo de um diário”. “Esta exposição tem um pezinho numa certa intimidade, porque são obras de alguma proximidade já que são objetos que acompanham os artistas no quotidiano”, acrescenta.

Já Agostinho Santos fala em “denunciar os estragos que o Homem causa”. Para o artista, o trabalho que tem desenvolvido “nos últimos anos é uma tentativa de chamar a atenção, de denunciar para o lado errado do mundo. Quero agitar as consciências das pessoas e contribuir para uma reflexão sobre o tema da atualidade, as injustiças sociais, as desigualdades, entre outros”.

Sobre as expectativas que os visitantes podem ter para esta exposição, Valter Hugo Mãe realçou que “quem conhece o trabalho dele, sabe que tem sempre um fator de surpresa muito assinalável e isso é instigador e incrível de se assistir”.

Para a Vereadora da Cultura, Beatriz Meireles, a Casa da Cultura de Paredes tem aberto as portas a artistas nacionais e internacionais e esta nova exposição prova que “estamos a dinamizar este espaço, estamos a afirmar-nos pela arte e, portanto, parece-me que estamos no bom caminho”, disse.

“Ao contrário do Inferno” fica na Casa da Cultura de Paredes até 5 de março. Pode ser visitada dentro do horário normal de funcionamento do espaço, de segunda a sexta-feira das 09.00 às 12.30 e das 14.00 às 17.30 e aos fins de semana das 10.00 às 12.30 e das 14.30 às 17.00.