Numa primeira fase Centro de Hemodiálise de Valongo vai tratar 70 doentes por dia

Sete anos depois do encerramento das Urgências no Hospital de Valongo e da promessa de ali ser instalado um Centro de Hemodiálise, a promessa é agora concretizada. Esta segunda feira o espaço recebe o primeiro utente, tendo a inauguração oficial ocorrido esta quarta-feira, dia 28 de abril. Esta unidade vai servir utentes de Valongo, Maia, Gondomar e Porto.

A presidir à inauguração desta unidade de hemodiálise do Centro Hospitalar e Universitário de São João (CHUSJ) esteve o secretário de Estado da Saúde Diogo Serras Lopes, acompanhado pelo diretor do Hospital Fernando Araújo. pelo presidente da Câmara de Valongo, José Manuel Ribeiro, vereadora da Câmara da Maia, Emília Santos, presidente da ARS Norte, Carlos Nunes e outros responsáveis.

Este espaço abre com 24 postos de atendimento e capacidade para tratar 70 pessoas por dia, como disse Manuel Pestana, diretor do Serviço de Nefrologia do Hospital S. João, responsável que aludiu ainda à importância que esta unidade terá na formação de internos e no que representa para o ensino e investigação nesta área. Também a importância do avançai para a diálise noturna, auto-diálise e diálise domiciliária foi referida por Manuel Pestana.

Antes do diretor de Nefrologia, o presidente do conselho de administração do CHUSJ, Fernando Araújo e o presidente da Câmara de Valongo, José Manuel Ribeiro, recordaram que este novo Centro de Hemodiálise ocupou o espaço do Serviço de Urgência (SU) do Hospital de Valongo que deixou de funcionar há sete anos, decisão que na época foi contestada e chegou a gerar iniciativas populares, como uma vigília noturna.

“Há sete anos havia aqui um SU básico e foi prometido ocupar o espaço com algo importante para a população. Este Centro de Hemodiálise é uma unidade de excelência”, disse Fernando Araújo.

Já José Manuel Ribeiro, elogiando a instalação do Centro de Hemodiálise, admitiu que continua “contra a opção de fechar o SU de Valongo”, mas, disse, “cumpriu-se o prometido com um serviço diferenciador para o território”.

O autarca de Valongo referiu perceber as dificuldades de concorrer com o privado e aludiu à importância do Serviço Nacional de Saúde.

Por fim, ao encerrar a cerimónia, Diogo Serra Lopes deixou um cumprimento especial aos profissionais de saúde e defendeu que o SNS tenha mais capacidade de resposta para os utentes que precisam de hemodiálise, dizendo que esta unidade é “de vanguarda na tecnologia e gestão”.

O governante também respondeu a questões ligadas à covid 19, referindo por exemplo que o ritmo de vacinação vai aumentar, consoante for aumentando o ritmo de entregas da vacinas.