Parlamento vai discutir desagregação de freguesias. Campo e Sobrado à espera

A Assembleia da República vai discutir esta sexta-feira, dia 29, quatro projetos de lei relativos à reversão das freguesias.

São quatro projetos apresentados pelo Governo, pelo PCP, pelo PEV e pelo Bloco de Esquerda.

A população de Campo e Sobrado está atenta, porque poderá sair daqui a decisão do regresso ao passado ou não.

Recorde-se que uma contestada reorganização territorial em 2013 levou à redução das 4.259 freguesias então existentes para 3.092. A ANAFRE (Associação Nacional de Freguesias) receia que o processo não termine a tempo de ser possível que as autárquicas de outubro já acontecem com o novo mapa de freguesias.

No caso de Campo e Sobrado, a grande diferença entre os quatro projetos de lei reside na intenção, que o projeto do governo contempla, de que as novas freguesias têm de ter entre 2 e 20% da área do concelho. A área de Sobrado tem cerca de 27% da área total do concelho de Valongo, pelo que a reversão estaria fora de causa.

Ouvido pelo JNR, Adriano Ribeiro, do Movimento para a Restauração das Freguesias de Campo e Sobrado afirmou ter esperança que sejam aprovados os quatro projetos e que haja negociação na especialidade para eliminar a condicionante da área. Disse ainda aquele responsável que “tentamos reunir com todos os grupos parlamentares, mas só o conseguimos com o PCP. Estou ansioso para ver se os deputados vão votar de acordo com aquilo que defendem os responsáveis locais de cada partido.”

Entretanto o JNR sabe que o Movimento para a Restauração das Freguesias de Campo e Sobrado, a Câmara de Valongo, a Assembleia Municipal e a Assembleia de Freguesia de Campo e Sobrado, enviaram um email conjunto para várias entidades, governo, partidos políticos e Presidente da República, onde é solicitada a maior atenção para os desejos da população de Campo e Sobrado de regressar ao período pré 2013.