Judiciária detém presumível suspeito de atear fogos em Sobrado e na Agrela

A Polícia Judiciária, através da Diretoria do Norte, com a colaboração de diversas entidades, designadamente o Grupo de Trabalho do Norte de Redução das Ignições Florestais, a GNR, a ANEPC, ICNF, Bombeiros Voluntários e Autarquias locais, procedeu no dia de hoje à detenção em flagrante delito de um indivíduo indiciado por mais de três dezenas de incêndios florestais, ocorridos na zona de Sobrado – Valongo e Baltar.

Os incêndios terão sido provocados com recurso a isqueiro, num quadro repetitivo, que se estende no tempo, pelo menos desde o início de julho.

O detido, embora trabalhasse, conciliava tal atividade com a constante circulação, de dia e de noite, nas zonas florestais, efetuando múltiplas manobras evasivas e condução errática, presumivelmente para despistar as autoridades.

A investigação teve que avocar consideráveis recursos humanos e materiais, para concretizar a sus detenção na sequência de mais um ato criminoso.

A permanente deflagração de ignições florestais nas zonas de Valongo e Baltar, tem originado um esforço considerável por parte dos Bombeiros e entidades responsáveis pela conservação da floresta, que há muito clamavam pela resolução da situação.

 A zona onde têm ocorrido os incêndios ateados pelo ora detido, carateriza-se como sendo zona de floresta com implantação de inúmeras empresas e residências, aquilo que é considerado o interface urbano-florestal, daí a sua elevada perigosidade.

Tal como foi recentemente noticiado, o caso do incêndio que vitimou dezenas de animais, num abrigo em Agrela – Santo Tirso, teve origem em Valongo, pelo que que a imputação de também esta ignição está a ser avaliada pela investigação.

O detido, de 29 anos de idade, tem antecedentes policiais por crime de incêndio florestal.

Tem a profissão de eletricista e vai ser presente à competente autoridade judiciária, para primeiro interrogatório judicial e aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.