Manuel Freire é o convidado especial do espetáculo “Há palavras que nos Beijam”

No ano em que se assinala o cinquentenário do Dia da Liberdade, o MANIFESTUM arte e dizer de Valongo é a casa da palavra, convidando Manuel Freire, figura icónica da música de intervenção, para o espetáculo final do Laboratório de Leitura Poética coordenado por Ana Celeste Ferreira.

«MANIFESTUM arte de dizer» chega em 2024, com muitas novidades e uma extensão de programação nunca vista: 10 meses de atividades diversas (laboratórios de formação, performances, espetáculos, conversas, leituras, fotografia, cinema, música, poesia, etc.), de março a novembro. 

Mas o destaque vai já para o dia 1 de Maio, pelas 18 horas, no Fórum Cultural de Ermesinde, com o espetáculo de apresentação final do Laboratório de Leitura Poética HÁ PALAVRAS QUE NOS BEIJAM, nível II, coordenado por Ana Celeste Ferreira, com o pianista Ricardo Caló e o convidado especial Manuel Freire.

Nascido a 25 de abril de 1942, Manuel Freire é uma das figuras de proa de uma geração de músicos de intervenção que cantou a Revolução dos Cravos. Ana Celeste Ferreira é formada em canto lírico, intérprete, locutora e diseur de poesia e conto. Ricardo Caló é docente e músico.

Toda a restante programação, a anunciar posteriormente, nutre-se da vontade de exigir mais: múltiplos cenários, para que a palavra não busque unanimidade e seja plural, questionante, livre.

MANIFESTUM arte de dizer é um evento promovido pela Câmara Municipal de Valongo, com programação e produção da Exemplo Extremo, coordenado pela Biblioteca Municipal de Valongo.

PUB