PSD e CDU reagem ao resgate da concessão de estacionamento em Valongo

A decisão da Câmara de Valongo (recorde-se aprovada por unanimidade) de reverter a concessão do estacionamento à superfície em Valongo e Ermesinde provocou reações das estruturas concelhias do PSD e da CDU.

O PSD acusa o presidente da Câmara de prejudicar “várias centenas de munícipes”. Diz o PSD que “o presidente da Câmara, José Manuel Ribeiro, sabia desde o início que os “fiscais” da empresa concessionária não tinham legitimidade para exercer a fiscalização. Não obstante, fechou os olhos e, numa atitude que não surpreende, fez de conta que desconhecia tamanha ilegalidade e permitiu que várias centenas de munícipes fossem “multados” ilegalmente”.

Diz o comunicado enviado pelo PSD que “no último ano, várias foram as reclamações e o PS/Valongo, apesar de saber da situação ilegal da empresa, nada fez, preferindo refugiar-se no incompetente argumento de que “herdou” o problema”.

Mais à frente a estrutura laranja de Valongo refere que “os vereadores do PSD solicitaram, há meses, um estudo que avaliasse o valor do resgate agora proposto, e até hoje não tiveram resposta. Haverá uma conta para pagar e os munícipes têm o direito de saber o custo desta decisão”.

Na nota enviada, o PSD refere que “a concessão de estacionamento existe há mais de dez anos, sem que alguma vez tenha sido permitido que a sua gestão, por parte da empresa concessionária, conduzisse a abusos como os que se verificaram diariamente, nos últimos meses, nas cidades de Ermesinde e de Valongo”.

Também a CDU reagiu a esta decisão. Num comunicado enviado à nossa redação, a CDU diz que “esta posição da Câmara de Valongo vem dar razão à CDU que foi sempre contra a privatização dos serviços públicos”. Salienta a CDU que “esta decisão não tem nada a ver com o mau serviço da empresa nem com a caça à multa, mas sim com o facto do PS e PSD terem consciência das suas decisões de consequências negativas para os valonguenses”. Refere a CDU que “o PS e o PSD, cada um a seu tempo, foram responsáveis por esta situação da concessão, manutenção e alargamento”.

A CDU também quer saber os custos para os cofres da autarquia que esta decisão implica.

Aproveitando esta oportunidade a CDU refere que vai continuar a lutar contra a privatização dos serviços públicos em Valongo, nomeadamente “água e saneamento,  recolha do lixo, limpeza da via pública e cantinas escolares”.